“A Região Norte de Portugal: Mudanças e Continuidades na Contemporaneidade” de Carlos Manuel Gonçalves (org.)

Publicado em Atualizado em

Recensão por: Carlos Manuel Gonçalves

Gonçalves, Carlos Manuel (org.) (2008), A Região Norte de Portugal: Mudanças e Continuidades na Contemporaneidade. 

a regiao norte de portugal_imagem

A obra analisa os processos de processos de recomposição social ocorridos na Região Norte de Portugal nos últimos 25 anos.

O texto, divulgado sob a forma de CD-ROM (disponível aqui), intitulado A Região Norte de Portugal: Mudanças e Continuidades na Contemporaneidade, é o resultado dos trabalhos de investigação realizados no âmbito do Projecto “A Região Norte de Portugal: dinâmicas de mudança social e recentes processos de desenvolvimento” (FCT-POCI/SOC/57600/2004). Este projecto é da responsabilidade de uma equipa do Instituto de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, constituída por Carlos Manuel Gonçalves, na qualidade de investigador responsável, Carla Melo, Cristina Parente, Dulce Magalhães, Hernâni Neto, João Teixeira Lopes, Luísa Pinheiro, Luísa Veloso, Sérgio Bacelar e Susana Silva.

Um objectivo teórico-metodológico enforma a obra: a análise sociológica dos plurais processos de recomposição social ocorridos na Região Norte de Portugal nos últimos 25 anos. A obra encontra-se estruturada em torno da abordagem de grandes temáticas. Para além de uma introdução, em que se explana as grandes linhas da investigação, a apresentação dos resultados desenrola-se ao longo de dez capítulos, cada um deles tomando por objecto, em parte ou na totalidade, as dimensões analíticas elegidas. O capítulo I, Território, ambiente e arquétipos de desenvolvimento no Norte de Portugal, de Hernâni Veloso Neto, procede à abordagem de vários elementos: tipologia espacial e administrativa do território; ocupação do solo e ordenamento do território; mobilidade, redes de proximidade e acessibilidades; investimento público e desenvolvimento socioeconómico do território; infra-estruturação ambiental e sustentabilidade do território.

No capítulo seguinte, Evolução da população e da estrutura familiar na Região Norte nos últimos 15 anos: mudança e continuidade, Sérgio Bacelar dá conta das componentes do crescimento da população, das dinâmicas da natalidade e da fecundidade, do envelhecimento populacional, das mudanças na dimensão e composição das famílias e da nupcialidade.

No capítulo III, Actividade económica e nível de vida das famílias na Região Norte, Carla Melo, recorrendo às informações estatísticas das contas regionais e ao indicador do poder de compra concelhio, elabora uma descrição do perfil económico da Região e do nível de vida dos seus residentes e aborda, igualmente, os fluxos comerciais realizados por operadores com sede na região Norte.

No capítulo IV, Estrutura empresarial: perfis de especialização sectorial e da mão-de-obra, Cristina Parente incide o seu trabalho sobre duas vertentes analíticas, fortemente interligadas. Uma, referente ao perfil de especialização sectorial do tecido empresarial, tendo em conta as variáveis relativas aos ramos e sectores de actividade dos estabelecimentos, antiguidade e dimensão das empresas. Outra vertente centrada nos recursos humanos, tendo como referencial as características etárias, de género e qualificações escolares e profissionais dos trabalhadores por conta de outrem.

O texto de Carlos Manuel Gonçalves, capítulo V, Dinâmicas do mercado de trabalho na Região Norte, examina, num primeiro momento, as principais tendências de transformação da população inactiva, activa e empregada para as décadas de oitenta e noventa do século passado, usando os dados censitários, centrando-se, posteriormente, nas dinâmicas do mercado de trabalho regional e nacional, no pós 1998 até à actualidade.

Luísa Pinheiro, no capítulo VI, Principais transformações nas condições e na qualidade de vida na Região Norte, equaciona os dados relativos à protecção social, à habitação, às infra-estruturas habitacionais e ao conforto das famílias, dando um particular destaque às singularidades da Região por comparação à globalidade do espaço nacional. Realiza igualmente uma exposição de um conjunto de índices sectoriais de desenvolvimento humano sobre o Norte de Portugal.

No capítulo VII, As recentes metamorfoses da saúde na Região Norte, Susana Silva apresenta e discute a evolução dos indicadores de saúde para a Região nas duas últimas décadas, no âmbito da oferta de estabelecimentos, equipamentos e recursos humanos em saúde, assim como da acção e utilização dos serviços públicos de saúde e dos resultados na mortalidade infantil e materna.

No capítulo VIII, Escola e escolarização: práticas em mudança na Região Norte, Dulce Magalhães envereda pelo equacionamento do estado da educação e do capital escolar da população. O texto aborda, em particular, várias vertentes – equipamentos escolares, demografia escolar, habilitações académicas – escrutinadas na qualidade de eixos heuristicamente relevantes para uma análise sociológica sobre o tema em questão.

João Teixeira Lopes no capítulo IX, Políticas e práticas culturais no Norte de Portugal, dá conta do desenvolvimento dos principais indicadores que permitem configurar cenários de práticas e políticas culturais quer na Região, quer no país, como um todo, desde meados dos anos oitenta até ao presente. São aqui explorados aspectos como as despesas com a cultura, os equipamentos, por um lado, as dinâmicas dos públicos da cultura, por outro.

Por fim, Luísa Veloso no capítulo X, O espaço europeu das regiões: esboço de uma análise internacional, apresenta, a partir dos dados da Base Régio da União Europeia (Eurostat), uma reflexão sobre a conjuntura económico-social caracterizadora das regiões da Europa, ao nível territorial das NUTS I e II, e elabora um exercício de confronto entre estas e a Região Norte para dimensões como a demografia, o emprego, a educação e a economia.

Carlos Manuel Gonçalves

 

Publicado originalmente em Observatório das Desigualdades, 2010