A evolução do desemprego em Portugal: taxa de desemprego em 2013 é a mais alta da última década.

Publicado em Atualizado em

Desemprego_gráfico2

Em Portugal, na última década, a taxa de desemprego tem vindo a aumentar progressivamente (+ 10 p.p.), sendo que nos últimos cinco anos houve um agravamento mais significativo. 

O Gráfico 1 dá conta da evolução das taxas de crescimento real do PIB e do desemprego em Portugal, entre 2002 e 2012. Existe uma relação entre o ritmo do crescimento económico e a evolução do desemprego. A situação do desemprego agrava-se ou melhora conforme se verifique um crescimento ou uma quebra da taxa de evolução do PIB. A contração do crescimento do PIB em 2003 foi acompanhado por um aumento do desemprego em cerca de 1,5 pontos. Ao longo da série, os níveis de desemprego foram consecutivamente aumentando, apesar de uma relativa recuperação económica até 2007. Em 2009, uma forte retração no crescimento real do PIB, provocou um aumento do desemprego em 2,1 p.p, tendência que se agravou nos anos seguintes (+5,3 p.p). 

Desemprego_gráfico1

O Gráfico 2 permite evidenciar a evolução da taxa de desemprego, entre 1998 e 2013, também segundo o sexo. Com exceção do ano de 2012, as mulheres foram sempre mais afetadas pelo desemprego que os homens. Porém, nos últimos anos tem sido evidente uma aproximação do nível de desemprego masculino ao feminino. Em 2013, a taxa de desemprego feminina e masculina (com uma diferença de 0,3 pontos) atinge os 16%, o valor mais elevado de toda a série temporal.

Desemprego_gráfico2

O Quadro 1 ilustra a evolução do número de empregados e desempregados, em Portugal. De 2007 a 2013, existem menos 656 mil pessoas empregadas e mais 427 mil desempregadas. No período considerado, 2013 marca o ano onde o número de população empregada é o menor (4514 milhares) e o número de desempregados é o maior (876 milhares). 

Quadro1_desemprego_2013

Do total da população desempregada, cerca de 52% é do sexo masculino, o que constitui, desde 2011, uma mudança, visto que até aqui existiam mais mulheres desempregadas (Quadro 1 e 2). A maioria dos desempregados (31,8%) encontram-se no escalão etário com 45 anos ou mais, mas a taxa de desemprego é superior para os indivíduos entre 15-24 anos (37,7%). A população com escolaridade mais baixa (até o 9º ano) continua a ser a mais afetada pelo desemprego (cerca de 59%), e é no Norte e em Lisboa onde se concentra maior percentagem de população desempregada, respetivamente, 37,5% e 36,1%. 

Quadro2_desemprego_2013

Em 2013, a população desempregada à procura de novo emprego abrangia 783,6 milhares pessoas – o que consistiu num aumento de 1,9% em relação a 2012 (cerca de 14,9 mil pessoas) (Quadro 3).

A composição do desemprego segundo o setor da atividade anterior revela que são nos serviços onde existe mais população desempregada (454,7 milhares), sendo que 61% são mulheres. Destaque para o aumento de 14% da população desempregada cujo setor da atividade anterior era na Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca, entre 2013 e 2012. 

Quadro3_desemprego_2013