Portugal dos países da União Europeia com maior desigualdade salarial

Publicado em

1431208453119

Foi publicado recentemente pelo Eurostat alguns dos resultados do Structure of Earnings Survey, inquérito realizado por este instituto estatístico europeu, de quatro em quatro anos, com o objetivo de recolher informação sobre os ganhos salariais dos europeus.

Os dados publicados pelo Eurostat sobre o rácio de disparidade entre salários brutos mais altos (decil mais elevado, D9) e o mais baixo (decil mais baixo, D1), revelam consideráveis diferenças entre estados membros. Em 2014, a amplitude da desigualdade de rendimentos entre os 10% dos trabalhadores com salários mais elevados face aos 10% com salários mais baixos, encontrava-se balizada entre a Suécia (2,1), onde a variação D9/D1 era menor, e a Polónia (4,7), onde era maior (consultar aqui). A seguir à Polónia, Portugal encontra-se no ranking dos países com maior dispersão D9/D1, surgindo em 4º lugar (4,3), antes da Roménia (4,6) e Chipre (4,5). Em 2014, os trabalhadores portugueses pertencentes aos 10% com maiores salários, ganhavam pelo menos o quádruplo dos 10% com menores salários.        

Segundo os dados publicados pelo Eurostat (Figura 1), em Portugal, em 2014, os 10% dos trabalhadores mais bem remunerados ganhavam 2,8 vezes mais face à mediana dos salários – o que consiste na maior disparidade da União Europeia. A seguir a Portugal, encontra-se a Bulgária, Chipre, Polónia e Roménia (com um rácio de 2,5). No espetro oposto, é na Suécia e Dinamarca (com um rácio de 1,6), onde a disparidade é menor.

capture

Neste estudo apresentam-se também os dados referentes aos trabalhadores com os mais baixos salários da União Europeia (isto é, os que ganham dois terços ou menos do salário bruto médio nacional), sendo que o perfil mais comum encontrado nesta situação são (consultar aqui): mulheres (21,1% face a 13,5% dos homens), os mais jovens (30,1% face ao valor registado de 14% na faixa etária entre os 30 e 59 anos), níveis mais baixos de escolaridade (28,2% face, por exemplo, a 20,9% dos indivíduos com ensino secundário), e por fim, trabalhadores com contratos de duração limitada (31,9%  face a 15,3% de indivíduos com contratos por tempo indeterminado).

Por: Ana Rita Matias