Artigos

“Teoria social da austeridade: para uma crítica do processo de precarização”, Renato Miguel do Carmo e André Barata

Publicado em

Resumo: O objetivo central deste artigo é desenvolver uma interpretação e uma compreensão do fenómeno político-social da austeridade nas suas relações com a instauração de um regime social de existência precária que se abateu, a partir de 2008, sobre Portugal e alguns países da Europa. Deste propósito resultam outros dois objetivos parcelares: por um lado, pretende-se caracterizar este processo como um regime social da precariedade nas suas condições existenciais mais estruturais, designadamente nas suas estruturas espaciotemporais; por outro, identificar os meios político-económicos pelos quais essas condições foram sendo instauradas, a partir de uma modificação profunda da vida social das populações. Analisar-se-ão as formas de desinstitucionalização decorrentes da implementação dos programas de austeridade e o seu impacto num conjunto de esferas sociais: na depreciação e desvalorização da atividade do trabalho, na incerteza da vivência espaciotemporal, no exercício da racionalidade no contexto da ação humana. Por fim, mostra-se como posicionamentos políticos de oposição à austeridade tendem a fundar a sua ação política subvertendo as condições espaciotemporais que a austeridade procura impor.

Consultar artigo: Carmo, Renato Miguel do, e André Barata (2017), “Teoria social da austeridade: para uma crítica do processo de precarização”, Revista do Serviço Público,  v. 68, n. 2, p. 319-341

“The social structure of european inequality: a multidimensional perspective”, Rosário Mauritti, Susana da Cruz Martins, Nuno Nunes, Ana Lúcia Romão, António Firmino da Costa

Publicado em

Abstract: The aim of this article is to present some contributions to the understanding of social inequality in Europe today. We analyse the distributional inequalities of economic and educational resources as well as the categorical inequalities between nation states and between social classes. The source of the empirical data was the European Social Survey 2012. We were able to calculate European income deciles, build a matrix of class-country segments, and analyse the intersections of this structural matrix with the distributions of income and schooling. The results reveal high degrees of distributional inequality in Europe. They also show the structural configurations assumed in Europe by the intersection of distributive and categorical inequalities.

Consultar artigo: Mauritti, Rosário, Susana da Cruz Martins, Nuno Nunes, Ana Lúcia Romão, António Firmino da Costa (2016), “The social structure of european inequality: a multidimensional perspective”, in Sociologia Problemas e Práticas, Nº 81, pp. 75-93. DOI: http://dx.doi.org/10.7458/SPP2016818798

“The Persistence of Class Inequality: The Portuguese Labour Force at the Turn of the Millennium”, Renato Miguel Carmo, Margarida Carvalho and Frederico Cantante

Publicado em

Abstract: The aim of this article is to analyse the structural changes and continuities in Portuguese society over the two decades from 1988-2008. Although modernisation processes have intensified, the country still has a highly polarised social structure. This study included a multiple correspondence analysis and a cluster analysis, using sociological variables collected in a national database that covers all Portuguese companies. Developing this approach made it possible to not only produce different sociological profiles of social and class inequality, but also compare the structural changes in the labour force in these two decades (private sector). The study shows that although the space of social positions was mainly formed by three large socio-professional groups in both 1988 and 2008, their size and social composition changed, reflecting the social and economic trends experienced by Portuguese society in this period.

Consultar artigo: Carmo, Renato Miguel, Margarida Carvalho, Frederico Cantante (2015), “The Persistence of Class Inequality: The Portuguese Labour Force at the Turn of the Millennium”, Sociological Research Online, 20 (4), 16 DOI: 10.5153/sro.3810

“Desigualdades em Tempos de Crise: Vulnerabilidades Habitacionais e Socioeconómicas na Área Metropolitana de Lisboa”, Renato Miguel do Carmo, Rita Cachado e Daniela Ferreira

Publicado em Atualizado em

Resumo: Este artigo pretende analisar a relação entre as diferentes componentes das desigualdades de recursos, com especial enfoque para as condições de habitabilidade e a autonomia financeira, e o seu impacto nas vulnerabilidades socais, que tendem a agravar-se nos atuais tempos de crise económico-financeira. Através dos dados de um inquérito por questionário, realizado a 1500 residentes na AML, o estudo estabelecerá uma comparação entre diferentes contextos socio-territoriais, tendo como referência uma tipologia utilizada para a estratificação da amostra. Os resultados do estudo identificam as várias dimensões da relação referida e apresentam um modelo estatístico que incorpora as variáveis em análise.

Consultar: Carmo, Renato Miguel do, Rita Cachado e Daniela Ferreira (2015), “Desigualdades em Tempos de Crise: Vulnerabilidades Habitacionais e Socioeconómicas na Área Metropolitana de Lisboa”, in Revista Portuguesa de Estudos Regionais, nº 40, pp. 6-22.

“Desigualdades, redistribuição e o impacto do desemprego: Tendências recentes e efeitos da crise económico-financeira”, Renato Miguel do Carmo e Frederico Cantante

Publicado em Atualizado em

Resumo: Este artigo procura realizar uma breve comparação do nível de desigualdade de rendimento em Portugal face ao verificado no universo de países da UE-28. Para além de uma descrição dos indicadores fundamentais, promover-se-á uma caracterização sintética da desigualdade salarial no país. Na segunda parte, a análise recairá sobre o efeito da ação e da capacidade redistributiva do estado português em perspetiva comparada. Na última parte apresentar-se-á uma análise exploratória, tendo como referência os impactos sociais da atual crise económico-financeira sobre a evolução da relação estatística entre o aumento do desemprego e o nível das desigualdades de rendimento nos países europeus. 

Consultar: Carmo, Renato Miguel do, Frederico Cantante (2015), “Desigualdades, redistribuição e o impacto do desemprego: Tendências recentes e efeitos da crise económico-financeira”, in Sociologia, Problema e Práticas, n.º 77, pp.  33-51. doi: 10.7458/SPP2015773311

“Time projections: Youth and precarious employment”, Renato Miguel Carmo, Frederico Cantante and Nuno de Almeida Alves

Publicado em

Abstract: The European and Portuguese labour markets have undergone significant changes in recent years. The high rates of unemployment have been accompanied by precarious employment – a phenomenon that is affecting younger people most. This article analyses how the future employment prospects of young people with few qualifications and/or on low pay are both represented and projected. By means of a content analysis of 80 interviews with young working people in Portugal, two forms of projecting their professional future were defined: the cumulative and the noncumulative projections. Within the latter category, three subtypes were identified: those of contingency, immobility and rupture. These categories are systematically explained, taking into account the notion of time as a sociological variable.

Consultar: Carmo, Renato Miguel, Frederico Cantante, Nuno de Almeida Alves (2014), “Time projections: Youth and precarious employment”, in Time & Society, p. 21

“Consumos de classe média num Portugal em crise: cultura, lazer e tecnologias de informação”, Rosário Mauritti e Susana da Cruz Martins

Publicado em

Resumo: Este artigo dá conta de configurações de práticas culturais e de consumo e estilos de vida, tendo por referência o momento de contração das condições sociais e econômicas atuais, em Portugal. Um dos traços mais marcantes das transformações a que estamos a assistir está ligado com o aumento de desigualdades sociais no acesso a bens e recursos característicos de uma sociedade do conhecimento e de uso mais intensificiado de tecnologias de informação e comunicação. Contrariando algumas das visões sobre a irrelevância de uma conceção das classes sociais, pretende-se desenvolver uma perspetiva de “classe média”, através da identificação de princípios sociais padronizados de diferenciação estrutural de recursos e oportunidades. Esta aproximação teórica-analítica à classe média pretende ainda dar conta das repercussões de um contexto economicamente recessivo e de aprofundamento de desigualdades, situando esse segmento social.

Consultar: Mauritti, Rosário, Susana da Cruz Martins (2014), “Consumos de classe média  num Portugal em crise: cultura,  lazer e tecnologias de informação”, Sociologias, nº 37, p. 144-175.

“How only some rich countries recently set out to become more unequal”, Danny Dorling

Publicado em Atualizado em

Abstract: There is a widespread perception that income inequalities have grown across the rich world in recent decades. This is not the case. In many countries inequalities have been stable and in a few they have fallen. Different measures of inequality result in different trends being observed.Here the income share of the best-off 1% is tracked for some 11 countries out of the world’s richest 26 large nation states to illustrate that far from it being normal to see the rich always taking more, for much of the last century in almost all these countries it was normal for the income share of the rich to be falling, and in some their share remains low while in a few it has continued to fall. It is only in countries such as the USA, UK and Canada that the richest 1% are currently again taking historically high shares of national income, and where their take appears to have been rising in the last decade.

Consultar: Dorling, Danny (2014), “How only some rich countries recently set out to become more unequal”, in Sociologia, Problema e Práticas, n.º 74, pp. 9-30.

PDF:Dorling, Danny (2014) some rich countries

“Toward a Sociology of Wealth: definitions and historical comparisons”, Richard Lachmann

Publicado em Atualizado em

Abstract: What does it means to be wealthy? Do possessors of significant wealth act in distinct ways that justify considering them a class, an elite or a status group? I explore the implications of various definitions of the wealthy. I review available data for a range of historical societies and then examine if the 1990’s explosion of wealth in the United States created a society with a larger stratum of the wealthy than in previous societies. I conclude by identifying a future research agenda that seeks to relate the relative and changing proportions of the wealthy in various societies to other, often nonquantitative evidence of shared occupational and leisure pursuits, family forms and political action

Consultar: Lachmann, Richard (2013), “Toward a Sociology of Wealth: definitions and historical comparisons”, in Sociologia, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Vol. XXVI, 2013, pág. 11-36

“O topo da distribuição dos rendimentos em Portugal: uma análise descritiva”, de Frederico Cantante

Publicado em Atualizado em

Resumo:  As desigualdades económicas são um fenómeno que tem vindo a ganhar uma visibilidade e centralidade crescente no debate público e na investigação académica. Um dos temas presentes neste debate é o dos top incomes, isto é, os rendimentos dos grupos que ocupam a parte superior da distribuição deste recurso. A evidência empírica demonstra que uma das causas do aumento da desigualdade económica interna nos países mais desenvolvidos decorre da crescente concentração do rendimento nestes grupos. Proponho-me desenvolver neste e-working paper uma análise sumária e descritiva dos recursos económicos e da composição socioprofissional dos grupos que formam a parte superior da distribuição do rendimento em Portugal. Recorrer-se-á a diferentes fontes estatísticas e analisar-se-ão vários tipos de capital económico.

Consultar: Cantante, Frederico (2013), “O topo da distribuição dos rendimentos em Portugal: uma análise descritiva”, CIES e-Working Paper, Nº 154/2013, Lisboa, CIES-IUL, p. 23.